menu

Serviços

Consultas

A Uromaster conta com uma equipe médica qualificada, pronta para atendê-lo! Realizamos consultas eletivas (previamente agendadas) na especialidade de Urologia.

O QUE É UROLOGIA?

Urologia é uma especialidade da medicina que cuida do trato urinário de homens e mulheres e do sistema reprodutor dos homens. Para se tornar um urologista, são necessários seis anos de formação em medicina, dois em cirurgia geral e mais três em urologia. Os órgãos estudados pelos urologistas incluem os rins, os ureteres, a bexiga urinária, a uretra e os órgãos do sistema reprodutor masculino (testículos, epidídimos, ductos deferentes, vesículas seminais, próstata e pênis).

O QUE FAZ UM UROLOGISTA?

O urologista tanto estabelece o diagnóstico de problemas relacionados ao trato urinário de homens e mulheres e do sistema reprodutor masculino quanto realiza cirurgias urológicas. O urologista, por exemplo, é o responsável pelo exame preventivo da próstata.
Apesar de ser conhecido como “médico de homem”, o urologista também trata de crianças e mulheres. A enurese noturna, mais conhecida como “xixi na cama”, é tratada por esse especialista. A cistite, infecção urinária comum nas mulheres, também faz parte do rol de atendimentos do urologista. Outros problemas cabíveis ao urologista são: cálculo renal (pedra nos rins), câncer de pênis, câncer de testículo, disfunção erétil, infertilidade masculina, etc.

Procedimentos cirúrgicos e ambulatoriais

A Uromaster possui três salas de cirurgias equipadas com aparelhos modernos, além de ampla sala de recuperação pós-anestésica. Nós nos preocupamos com a sua segurança e tranquilidade, por isso contamos com uma equipe médica e de enfermagem qualificada. Realizamos diversos procedimentos cirúrgicos, entre eles:

Postectomia (cirurgia de fimose ou circuncisão)

Indicada para o tratamento da fimose e da balanopostite (infecções penianas) de repetição.

Pode ser realizada com anestesia local ou com sedação, neste caso sempre acompanhada pelo médico anestesiologista. O paciente permanece deitado e recebe anestesia na região da base do pênis. É feita uma incisão para remoção de uma parte da pele que recobre a glande peniana, chamada “prepúcio”. Após esse procedimento, são dados pontos para reconstituir a pele no local operado. O paciente recebe um curativo e permanece algumas horas em observação antes de receber alta caso o procedimento tenha sido realizado com sedação.

Uretrotomia interna

Indicada para pacientes que possuam pequenos estreitamentos ou estenoses do canal uretral e que apresentem dificuldade para urinar.
Realizada sob sedação venosa. Um medicamento é utilizado para lubrificar e anestesiar o canal da urina (uretra), e depois é introduzido um aparelho até o local da estenose da uretra. O urologista, observando por uma microcâmera, realiza uma pequena incisão na área da estenose fazendo com que o diâmetro do canal volte ao normal. O paciente permanece em observação por algumas horas e recebe alta hospitalar, normalmente com uma sonda na uretra, que será retirada dentro de alguns dias no consultório.

Plástica de Freio Peniano

Indicada para pacientes que apresentam lesões do frênulo ou freio peniano. Essas lesões são comuns durante a atividade sexual, devido ao estiramento dessa pele.

Realizado com anestesia local. O freio é removido, e a área é suturada com fio cirúrgico.

Meatoplastia

Indicada para pacientes que possuem estenose do meato uretral, que consiste no fechamento do orifício urinário externo por alguma inflamação ou infecção. Esse problema ocasiona a obstrução à saída da urina ou saída da urina em forma de “chuveiro”.
Após a anestesia local, uma pequena incisão é realizada no meato uretral, e pontos são feitos para reconstruir o meato com seu diâmetro normal.

Implante de Prótese Peniana

Indicado para pacientes com disfunção erétil que não obtiveram sucesso com os tratamentos medicamentosos.
O procedimento é realizado com anestesia peridural ou sedação venosa. Uma incisão é feita no pênis, onde são colocados os componentes da prótese. Podem ser necessárias outras incisões, dependendo do tipo de prótese a ser implantada.

Correção de Hidrocele

Indicada para pacientes que possuem acúmulo de líquido ao redor do testículo, ocasionando aumento do volume da bolsa testicular e incômodo para andar, sentar e para prática da atividade sexual.
É realizada sob anestesia peridural ou sedação venosa. Por meio de uma incisão na bolsa testicular, o urologista remove o líquido anormal e realiza uma plástica em uma membrana que envolve o testículo para diminuir as chances de retorno do problema.

Orquidopexia

Indicada para pacientes com um problema chamado de “criptorquidia”, que é a ausência do testículo na bolsa testicular. São testículos que foram formados na gestação, mas que não desceram para sua localização normal.
O procedimento é realizado com anestesia peridural ou sedação venosa. São necessárias duas incisões, sendo uma na região da virilha e outra na bolsa testicular. O testículo é identificado próximo à virilha, liberado e reposicionado em seu local normal na bolsa testicular.

Correção de Varicocele

Indicada para pacientes que possuem varicocele, que é a dilatação do plexo venoso dos testículos, associada a uma das seguintes alterações: redução do tamanho do testículo ou alteração da fertilidade.
O procedimento pode ser feito sob anestesia peridural ou sedação venosa. A cirurgia consiste na ligadura das veias dilatadas.

Implante de Prótese Testicular

Indicado para pacientes que não possuam um ou dois testículos devido a alguma doença ou por ter nascido com o problema.
O procedimento é feito com anestesia peridural ou sedação venosa. Uma incisão é realizada na bolsa testicular ou na região inguinal. A prótese é posicionada e fixada na bolsa testicular com pontos cirúrgicos.

Orquiectomia

Indicada para pacientes com câncer ou com falta de irrigação sanguínea (isquemia) do testículo.
Realizada com anestesia local, peridural ou sedação venosa. É feita uma incisão na bolsa testicular em casos de isquemia ou na região inguinal (“virilha”) em casos de câncer. O testículo é “desconectado” dos canais que o nutrem e é removido.

Vasectomia

Indicada para pacientes que não querem ter filhos e desejam um método de anticoncepção confiável.
O procedimento é feito com anestesia local, associada ou não à sedação venosa. Por meio de uma ou duas incisões na bolsa testicular, o urologista identifica os ductos deferentes (canais por onde passam os espermatozoides). Esses canais são interrompidos por várias técnicas.

Reversão de Vasectomia

Indicada para pacientes submetidos à vasectomia e que desejam tentar ter filhos novamente.
Realizada sob anestesia peridural ou sedação venosa. São feitas duas incisões na bolsa testicular e identificados os cotos dos ductos deferentes que foram ligados (amarrados) durante a vasectomia. Os dois ductos são novamente “conectados” através de microcirurgia com o auxílio de uma lupa ou de um microscópio cirúrgico.

Cateterismo Vesical

Indicado para pacientes com doenças que ocasionam a retenção de urina na bexiga.
O paciente é deitado em uma maca. Injeta-se um medicamento anestésico e lubrificante no canal uretral. É introduzida uma sonda pela uretra até o interior da bexiga. Após a drenagem da urina, a sonda pode ser acoplada a uma bolsa e mantida no paciente por alguns dias (cateterismo de demora) ou pode ser removida (cateterismo de alívio).

Instilação Vesical

Indicada para pacientes que necessitem de injeção de algum tipo de medicação no interior da bexiga. Comum em tratamentos para cistites de repetição, câncer de bexiga ou cistites crônicas.
O paciente é deitado em uma maca. Injeta-se um medicamento anestésico e lubrificante no canal uretral. É introduzida uma sonda pela uretra até atingir a bexiga. Após a drenagem da urina, injeta-se a medicação no interior da bexiga, e a sonda é retirada.

Cauterização de Lesões Genitais

O procedimento é realizado para o tratamento de algumas lesões penianas, como o condiloma e o molusco contagioso.
O paciente permanece deitado em uma maca e recebe anestesia local próximo à lesão a ser tratada. Com um aparelho de bisturi elétrico, o médico realiza a cauterização da lesão e a remove.

Biópsia Peniana

O exame é solicitado pelo médico para auxiliar no diagnóstico de lesões penianas. Muito importante no diagnóstico de tumores penianos e verrugas (HPV ou condiloma).
O paciente permanece deitado em uma maca e recebe anestesia local próximo à lesão. Uma pequena quantidade de tecido é retirada e enviada para avaliação em laboratório.

Dilatação da Uretra

Indicada para pacientes que possuam estreitamentos ou estenoses do canal uretral e que apresentem dificuldade para urinar.
O paciente é deitado em uma maca. Injeta-se um medicamento anestésico e lubrificante no canal uretral. O médico introduz uma sonda fina pelo canal urinário até a bexiga. A sonda vai sendo trocada por outras mais grossas, até que o canal atinja um diâmetro desejável para que o paciente possa urinar normalmente. Podem ser feitas várias sessões do procedimento, dependendo do problema e da recuperação.

Cistoscopia e Uretroscopia

O exame é solicitado pelo médico para confirmar a suspeita de alguma doença no interior da bexiga (inflamações, cálculos, tumorações, sangramentos) ou na uretra (cálculos, estreitamentos/estenoses).
Pode ser realizado sob anestesia local ou sedação venosa. Um medicamento é utilizado para lubrificar e anestesiar o canal da urina (uretra), e depois é introduzido um aparelho até a bexiga. O urologista observa por uma microcâmera todo o interior da uretra e da bexiga. Caso observe alguma lesão, ele poderá retirar um fragmento milimétrico para realização de uma biópsia.

Litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO)

A Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO) é um procedimento indicado para o tratamento de cálculos (pedras) localizados no interior do rim ou do ureter. Somente os cálculos que possuam baixa probabilidade de serem expelidos naturalmente são tratados por esse método ou aqueles que estejam causando outro problema para o paciente, como infecções persistentes ou obstrução à drenagem da urina.

É realizada sob sedação com acompanhamento do médico anestesiologista. Localiza-se o cálculo (pedra) por meio de radioscopia (raio X) ou ultrassonografia. O aparelho emite ondas de choque direcionadas ao cálculo com o objetivo de fragmentá-lo em pedaços menores, que serão expelidos junto com a urina. O tratamento é totalmente externo, não sendo necessário nenhum tipo de incisão. Ao final do procedimento, o paciente é encaminhado para a sala de recuperação e poderá receber alta em algumas horas. Em alguns casos é necessária a colocação de um cateter interno (duplo J) para evitar obstrução e facilitar a eliminação de pequenos fragmentos de cálculos e coágulos de sangue.

Ureterolitotripsia transureteroscópica (UTL)

É um procedimento indicado para pacientes com cálculo obstruindo o ureter e que geralmente estão apresentando quadro de cólica renal.

É realizado com sedação venosa. Um aparelho com uma microcâmera é introduzido pelo canal urinário, passa pela bexiga e pelo ureter até o local onde está o cálculo. Pequenos instrumentos são utilizados para quebrar e depois retirar os pedaços do cálculo. Pode ser necessária a colocação de um cateter interno (duplo J) para drenagem da urina do rim e para facilitar a eliminação de pequenos cálculos e coágulos de sangue.

Exames ultrassonográficos

O exame é feito quando solicitado pelo médico assistente para confirmar um diagnóstico ou para acompanhar a evolução de um tratamento.

O paciente permanece deitado em uma maca, e o médico desliza o equipamento (transdutor) sobre a área a ser examinada. É utilizado um gel sobre a pele para melhorar a definição da imagem gerada pelo aparelho. O exame não utiliza radiação ou contrastes e não é doloroso.

Exames ultrassonográficos realizados na Uromaster:

– Ultrassonografia pélvica masculina (ou da próstata via abdominal)

– Ultrassonografia das vias urinárias (ou do aparelho urinário)

– Ultrassonografia de abdome total

– Ultrassonografia do abdome superior

– Ultrassonografia transretal da próstata com biópsia sob sedação

– Ultrassonografia transretal da próstata sem biópsia

– Ultrassonografia de bolsa escrotal

– Ultrassonografia de pênis

Biópsia de Próstata

Esse exame é realizado em homens com suspeita de câncer de próstata, com alteração do exame de PSA ou com alteração do toque retal.

O exame é realizado sob sedação venosa com acompanhamento do médico anestesiologista. O paciente permanece dormindo durante todo o procedimento e não sente dor. A duração é de aproximadamente 20 minutos. O médico localiza a próstata utilizando um aparelho de ultrassonografia colocado no intestino (ânus e reto) e retira pequenos fragmentos de seu interior com uma agulha bem fina. Esses fragmentos são enviados para análise celular em laboratórios de patologia. Após o procedimento, o paciente é encaminhado para a sala de recuperação, onde permanece até receber alta.

Urofluxometria e Urodinâmica

Urofluxometria

O exame é solicitado pelo médico para avaliação de alterações da micção, como jato fraco, aumento da frequência urinária, etc.

A urofluxometria é a medida do fluxo ou da “pressão” do jato urinário. Basta que o paciente urine em um aparelho semelhante a um vaso sanitário, e o computador analisa e elabora um gráfico com os resultados obtidos.

Estudo Urodinâmico/Urodinâmica

O exame é solicitado pelo médico para avaliação de alterações da micção, tais como obstrução do jato urinário ou perda da capacidade de reter a urina (incontinência). É realizado em homens e mulheres.

O Estudo Urodinâmico Completo é uma avaliação mais minuciosa que a urofluxometria. O paciente é deitado em uma maca, e pequenas sondas ligadas a um aparelho são colocadas para medição da pressão do abdome e da bexiga. Durante o exame, a bexiga é preenchida com soro, e ao final o paciente elimina o líquido, como se estivesse urinando no vaso sanitário.